Total de visualizações de página

quarta-feira, 13 de junho de 2012

Reunião Executiva



Oito e trinta da manhã. Pedro estava inquieto na cadeira, mordia os lábios e batia com os pés ritmicamente no linóleo muito bem encerado. Amanda estava ao seu lado, mas apenas olhava o teto, distraída e absolutamente tranquila. Marcos e Cassandra, sentados um tanto mais afastados, não exibiam emoção perceptível em seus semblantes.

Pontualmente o presidente e a vice-presidente entraram na sala e caminharam até o púlpito. O primeiro tinha um bigode farto, escuro, e vestia um terno sóbrio e gravata azul-marinho, a segunda trajava um belo tailleur cor de pêssego e tinha óculos de armação dourada pendurados por uma corrente de ouro, apoiados sobre os seios. Ambos exalavam confiança e serenidade.

Todos se levantaram e aplaudiram o casal com respeito e educação. Sentaram-se a seguir e Pedro começou, muito discretamente, a roer as unhas que já se encontravam no sabugo. Amanda continuava um tanto avoada. Marcos e Cassandra agora sorriam.

— Senhoras e senhores, sejam bem-vindos à nossa reunião semestral de apresentação de resultados e avaliação de desempenho – a voz do presidente era macia e cheia, como a de um locutor de rádio dos anos dourados.

— Iniciaremos com uma apresentação dos indicadores de performance num comparativo like-for-like dos valores médios do mercado contra nossos dados históricos dos últimos três anos, em níveis consolidados e também fazendo drill downs até unidades individuais – complementou a vice-presidente, agora com os óculos apoiados quase na ponta de seu nariz bem empoado.

Gráficos detalhados e coloridos foram então projetados, números baseados em sofisticadas fórmulas financeiras pipocavam em todos os slides.

— Desde a crise de 2008, devido a retração generalizada dos mercados, podemos observar a queda de nossa Liquidez Imediata e o aumento do Endividamento Futuro, resultando em expressivas perdas de VPA. Isto, vejam só, mesmo depois de medidas de redução do imobilizado e com o fechamento de unidades pouco produtivas na Espanha e na Rússia – a voz do presidente soava, apesar das notícias ruins, confiante e tinha certo tom amistoso.

— Mais especificamente, na unidade RJ-0034, houve avanços e retrocessos. Vejamos, os setores Marcos e Cassandra apresentaram considerável evolução; Marcos formou-se com louvor em Medicina, na prestigiosa UFRJ. Cassandra foi selecionada como Trainee na FGV; é a mais jovem economista da equipe! Excelentes Retornos sobre o Investimento! Palmas, palmas!

De imediato todos aplaudiram entusiasticamente.

— Infelizmente, o setor Pedro não evoluiu da mesma forma; recuperação em Matemática, Ciências e Estudos Sociais... Por um pouco não foi reprovado automaticamente! No ano anterior foi aprovado com média geral C+ somente. Seu único “A” foi em Educação Física. Ao avaliarmos o gráfico do Retorno sobre o Investimento, podemos observar resultados medíocres nos períodos contábeis anteriores e uma súbita queda no período corrente. Senhor Pedro, tem algo a dizer em sua defesa?

Pedro – o “Putuca”, conforme o conheciam no colégio – levantou-se muito pálido e gaguejou, com a voz já meio embargada pelo choro reprimido. As pernas finas e com joelhos esfolados tremiam.

— Desculpa, mas é claro que minha inteligência é do tipo físico, mam... Quer dizer, vice-presidente. Eu tinha que ter sido matriculado num centro de treinamento profissional de futebol. Tá na cara que teve erro na minha avaliação de perfil. Ficar numa sala de aula estudando que nem um mané não funciona comigo.

O casal no púlpito parecia entristecido. O presidente tomou à frente e respondeu.

— Em outro cenário econômico menos desfavorável, certamente investiríamos mais em seu setor. No entanto, como vamos justificar aos acionistas um desempenho tão pífio e nova injeção de recursos num ativo de tamanho risco? Não, senhor Pedro; fecharemos o seu setor, para evitar prejuízos ainda maiores.

— Papai, não! Eu prometo que meus resultados serão melhores, vou meter a cara nos livros, vocês vão ver! – Lágrimas começaram a descer dos olhos do menino, o nariz ameaçava molhar a boca com muco.

— Não me chame pelo título de parentesco numa reunião formal, senhor Pedro! Lamentamos, mas a decisão está tomada!

— E a Amandinha?! Com ela vocês não implicam, né? Ela já tem cinco anos e não faz nada da vida!

— Pedro, que absurdo! Você sabe muito bem que os estagiários não passam por avaliações formais em nossa empresa – respondeu a vice-presidente, com os olhos faiscando por detrás das lentes. — Seguranças! Retirem o senhor Pedro da sala, esvaziem seu escritório e coloquem-no na relação de Ativos Fixos completamente depreciados. No próximo mês ele irá a leilão junto com os desktops antigos e os aparelhos de fax.

— Mas, mas, e se ninguém me comprar? O que acontece se ninguém me comprar? – Gritou o menino, revirando os olhos enquanto era arrastado para fora.

O presidente e a vice-presidente entreolharam-se melancolicamente, deram as mãos e acenaram, despedindo-se do filho, sem responder a pergunta.

— Agora continuemos com a projeção do Orçamento dos anos fiscais 2013 a 2015, levando em conta as novas alterações previstas pelo Fisco - Falaram os dois, quase ao mesmo tempo, para a plateia muito, muito atenta.

Nenhum comentário: